História

 ...crescer com personalidade, viver com qualidade, envelhecer com dignidade!

               Certificações

   certificado nº PT-2011/CEP.4008

       

                                                                           Microsoft (beneficiária do programa de doação de software)

 

Herdeira da “ Albergaria de Águeda “ (já existente em 1449), do “Hospital do Lugar de Águeda” (1533) e do “ Hospital de Nossa Senhora da Boa Morte “ (1721), a Santa Casa da Misericórdia de Águeda (SCMA), foi instituída em 12 de Novembro de 1859, tendo sido seus fundadores:


  • José Ribeiro de Sousa Figueiredo, Joaquim Mariano de Sousa Ribeiro, António de Sousa Tondela, Vitorino António Martins, António Ferreira de Almeida Freitas, António de Melo e Padre João Baptista de Figueiredo Breda.

A sua primeira Mesa Administrativa (1859-1863) foi constituída por:

  • Provedor: João António Pereira de Carvalho

  • Mesários: António Ferreira Sucena, José da Silva Ruela, Joaquim José Maria de Almeida, Jacinto Rodrigues Breda, Tomaz António de Figueiredo e João de Pinho e Freitas.


Inicialmente, dedicou-se à Área da Saúde, no antigo Hospital de Nossa Senhora da Boa Morte, situado na Rua do Barril, em Águeda, que viria a ser vendido em 1901. Em 1904 já estava parcialmente construído o actual edifício do “ Hospital – Asylo Conde de Sucena “, tendo a Mesa Administrativa aí reunido pela primeira vez, em 08 de Setembro de 1907, sob a presidência do Benemérito e então Provedor da SCMA, José Rodrigues de Sucena – 1º Conde de Sucena. Terminada a construção do “ Hospital –Asylo Conde de Sucena”, o seu Benemérito fundador foi forçado a ausentar-se do país.

Enquanto não ocorreu a inauguração e abertura do Hospital, esteve nele instalado, a partir de 1917, por requisição do Ministério da Guerra, o Sanatório Militar de Águeda, destinado ao repouso dos soldados vindos do Corpo Expedicionário Português, em França, tendo sido directores, entre outros, o Dr. Eugénio Ribeiro, o Dr. Albano Pereira e, em 1921, o então alferes miliciano médico Dr. António Pereira Pinto Breda. Este último, que, nesse tempo já se distinguia como cirurgião, conhecendo bem as dificuldades provenientes da falta dum hospital, foi propositadamente a Paris falar com o Conde de Sucena para que este procedesse à inauguração do Hospital.

O regresso do Conde de Sucena a Portugal deu-se em Maio de 1922 e em Junho desse mesmo ano foi celebrada a escritura de doação de raiz do edifício, ocorrendo a sua abertura e inauguração em 15 de Agosto de 1922. O usufruto ficou a pertencer ao filho do doador – 2º Conde de Sucena – que o legou à SCMA por escritura celebrada em 30 de Maio de 1949, subscrita pelo doador, 2º Conde de Sucena e pelo Provedor da Santa da Misericórdia Dr. Fausto Luís de Oliveira.

Dispunha o Hospital, então já pertencente à SCMA, de três enfermarias gerais, doze quartos particulares e um sector de isolamento e compunham o seu corpo clínico os médicos Dr. Joaquim Carvalho e Silva, Dr. António Pereira Pinto Breda e Dr. Benjamim Camossa, apoiados por um corpo de enfermagem constituído por quatro Irmãs Religiosas da Ordem de S. Vicente de Paulo, que o Dr. António Pereira Pinto Breda tinha trazido expressamente de França.

Acomodava ainda uma secção asilar, localizada no rés-do-chão do edifício, com 24 camas para idosos de ambos os sexos, “ pobres e velhos sem outro socorro”, que ali eram recolhidos, assistidos e tratados, sem qualquer contrapartida.

Em 10 de Setembro de 1976, o Hospital foi oficializado, separando-se da SCMA, embora o edifício e as estruturas continuassem e continuem a pertencer a esta Instituição. A 4 de Maio de 1987, passou a designar-se por Hospital Distrital de Águeda.

A separação do Hospital e da Santa Casa, motivando administrações, quadros de pessoal e estruturas diferentes, determinou a necessidade de ser criado um Lar onde fossem acolhidos os “pobres e velhos sem outro socorro”.

A Mesa Administrativa da SCMA, que ao tempo liderava os destinos da Instituição e da qual era Provedor Alfredo dos Anjos Ferreira, mandou fazer o respectivo projecto, que, depois de submetido à aprovação da Direcção - Geral da Assistência Social, para efeitos de comparticipação, foi aprovado tendo em vista a construção de um Lar para Pessoas Idosas, com 45 camas, a erigir em terrenos junto do edifício do Hospital. Este Lar foi inaugurado em 07 de Julho de 1980 e a sua lotação foi alterada, sucessivamente, para 60, 90 e 105 camas, lotação esta que ainda hoje mantém. Detém o nome de Lar Conde de Sucena, em homenagem ao grande Benemérito José Rodrigues de Sucena (1º Conde de Sucena).

Mais tarde, a 05 de Julho de 1997, inaugurou, solenemente a Casa da Criança e, em 28 de Fevereiro de 2005, iniciou a actividade da Casa de Repouso Dr. António Breda e Lea Breda.

Actualmente a Mesa Administrativa é presidida pelo Sr. António José Mota Rodrigues.